Já ouviu falar em TIREOIDITE DE HASHIMOTO? Entenda um pouquinho sobre essa doença da TIREOIDE...

Atualizado: Mai 10



A Tireoidite de Hashimoto, também conhecida como Tireoidite Linfocítica Crônica ou Tireoidite Auto-Imune, é atualmente a causa mais comum de hipotireoidismo em nosso meio.

É uma condição em que o sistema imunológico produz anticorpos contra a própria tireoide. São os anticorpos anti-tireoperoxidase e anti-tireoglobulina, que podem ser detectados em níveis aumentados no sangue.

Esses anticorpos ocasionam um processo inflamatório crônico, brando e geralmente "silencioso" na tireoide, que muitas vezes passa despercebido, mas que eventualmente pode estar associado ao aumento (bócio) ou diminuição (atrofia) da glândula, podendo haver também a diminuição do funcionamento tireoidiano (redução da produção dos hormônios T3 e T4 pela tireoide).

A Tireoidite de Hashimoto pode acometer ambos os sexos e ocorrer em qualquer idade, embora seja mais comum em mulheres entre 40 e 60 anos. Pessoas com história pessoal ou familiar de doenças auto-imunes (como vitiligo, doença celíaca, diabetes tipo 1, hepatite auto-imune, artrite reumatoide, Lupus, anemia perniciosa e doença de Addison) também têm mais chance de serem acometidas.

A principal consequência da Tireoidite de Hashimoto é o Hipotireoidismo, e por isso recomenda-se que as pessoas acometidas façam o acompanhamento periódico da função tireoidiana (a cada 6 a 12 meses, por exemplo) e fiquem atentas ao surgimento de sintomas sugestivos de hipotireoidismo.

O tratamento da Tireoidite de Hashimoto é feito com a reposição da levotiroxina APENAS quando há HIPOTIREOIDISMO. Pacientes com função normal da tireoide não necessitam e não devem usar a levotiroxina, e muito menos fazer uso de corticoide ou qualquer imunossupressor (como em algumas outras doenças auto-imunes) por causa dos anticorpos elevados.

Mulheres com Tireoidite de Hashimoto devem fazer avaliação da função tireoidiana quando estiverem planejando uma gestação e também durante toda a gravidez.

Em caso de dúvida, procure um endocrinologista.

Para marcação de consulta, contato e endereço de atendimento, acesse: www.ceciliafinotti.com

2 visualizações0 comentário