DIABETES MELLITUS

Dra. Cecília Finotti Nishikawa Almeida

CRM: DF-16902 / RQE 10654

O QUE É O DIABETES?


É uma condição caracterizada pela HIPERGLICEMIA, ou seja, pelo aumento dos níveis de “açúcar” (glicose) no sangue. Isso ocorre porque a insulina (hormônio produzido pelo pâncreas e que ajuda a glicose a entrar na célula) está em falta ou porque não funciona direito.




QUAIS OS TIPOS MAIS COMUNS?


TIPO 1 (5-10% dos casos) - Afeta pessoas jovens (crianças, adolescentes, adultos jovens), geralmente magras. - É causada pela falta de insulina no corpo. - É tratada com insulina desde a época do diagnóstico (insulino-dependente). TIPO 2 (90-95% dos casos) - Afeta geralmente pessoas com > 40 anos, excesso de peso, sedentárias e com história familiar de diabetes. - É causada pela resistência à insulina. Pode ser tratada com dieta, exercício físico e medicamentos (comprimidos ou até insulina).




QUAIS OS SINTOMAS?


O diabetes costuma ser uma doença “silenciosa”. Por isso, muitas pessoas que tem diabetes nem sabem que têm a doença. Quando presentes, os sintomas são: sede excessiva; aumento do apetite; necessidade frequente de urinar, inclusive durante a madrugada; cansaço; perda de peso; visão embaçada; sensação de formigamento ou queimação nas mãos e pés; infecções frequentes, principalmente na pele.




COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO?


O diabetes é diagnosticado com exames de sangue, podendo ser confirmado quando: - Glicemia de jejum > ou = 126 mg/dL - Glicemia 2h após sobrecarga de 75 g de glicose > ou = 200 mg/dL - Glicemia ao acaso > ou = 200 mg/dL na presença de sintomas clássicos de hiperglicemia - Hb glicada > ou = 6,5%




POR QUÊ É IMPORTANTE TRATAR O DIABETES?


O diabetes não tem cura, mas tem controle. Controlar o diabetes é fundamental para evitar as suas complicações, que em geral são muito graves. Níveis altos de açúcar no sangue por tempo prolongado podem levar a sérios problemas nos olhos, no coração, nas artérias e veias, nos rins, nos nervos e nos pés. Um bom controle glicêmico minimiza os riscos dessas complicações.




​COMO CONTROLAR O DIABETES?


O diabetes pode ser controlado com a combinação de uma alimentação adequada, a prática regular de exercícios físicos e um esquema de tratamento medicamentoso individualizado e apropriado para cada paciente.




QUAIS AS METAS DE UM BOM CONTROLE?


Controle do diabetes: - glicemia de jejum < 100 mg/dL - glicemia pré-prandial < 110 mg/dl - glicemia pós-prandial < 140 mg/dL - Hemoglobina glicada < 6,5% Obs: Em crianças, gestantes e idosos, essas metas são diferentes. Controle da pressão arterial: - PA < 130 x 80 mmHg (< 120 x 75 mmHg em caso de insuficiência renal ou proteinúria) Controle da gordura no sangue: - Colesterol-LDL < 100 mg/dL (<50 mg/dL em caso de doença arterial coronariana ou AVC) - Colesterol-HDL > 45 mg/dL (homens) ou > 50 mg/dL (mulheres) - Triglicérides < 150 mg/dL Controle do peso: - Ideal: IMC normal (até 24,9 kg/m2) - Nos diabéticos com excesso de peso: benefícios significativos com perda de 5 a 10% do peso corporal




FATORES QUE PODEM INTERFERIR NO CONTROLE DO DIABETES


FATORES QUE PODEM LEVAR À HIPERGLICEMIA:
O nível de açúcar no sangue pode aumentar (hiperglicemia) se você: - Comer demasiadamente - Estiver sob estresse - Não tomar medicamento suficiente - Estiver doente (com febre ou infecções, por exemplo) É importante prestar atenção nos sintomas de hiperglicemia e monitorar os níveis com testes de glicemia capilar, verificando se o aumento foi ocasional ou se tem sido permanente. FATORES QUE PODEM LEVAR À HIPOGLICEMIA: Por outro lado, o nível de açúcar no sangue pode abaixar muito (para menos de 70 mg/dL) se você: - Ficar muito tempo sem alimentar - Não comer o suficiente - Fizer muito exercício - Usar doses excessivas de medicamentos ou insulina Essa condição é chamada de hipoglicemia e nesse caso você pode ter os seguintes sintomas: tremores, sono, cansaço, sensação de fome, palpitações, suor frio, tontura, incoordenação, inquietação durante o sono, instabilidade, estado de confusão mental e até perda de consciência. Na presença desses sintomas, faça um teste de glicemia capilar o mais rápido possível e se estiver com nível baixo de açúcar no sangue, trate-o com alimentos ou açúcar de ação rápida, como: - 1 copo (150 ml) de suco de frutas ou refrigerante não-dietético OU - 10 -15 gramas (1 colher de sopa) de açúcar Faça outro teste após 15 minutos. Se ainda assim o nível continuar baixo, repita o processo. ATENÇÃO: Em caso de perda de consciência, o paciente deve ser levado rapidamente ao serviço médico de urgência para receber glicose na veia (não se deve colocar açúcar ou alimentos dentro da boca do paciente inconsciente devido ao risco de aspiração).




QUAIS AS CONSEQUÊNCIAS DE UM BOM CONTROLE?


O diabetes bem controlado reduz significativamente o risco de complicações, assegurando assim a saúde, a qualidade de vida e o bem-estar do paciente.





Endocrinologia e Metabologia

Dra. Cecília Finotti Nishikawa Almeida

CRM DF 16902 | RQE 10654

(61) 3346-1590 | 3542-2437 

 Copyright©2015 Dra. Cecília Finotti N. Almeida.
Todos os direitos reservados.